Terça, 17 de Maio de 2022
19°

Céu encoberto

Várzea Grande - MT

Ação Social Bahia

Projeto em unidades escolares e socioassistenciais do Município é iniciado pela Fundação Roberto Marinho

Abertura das atividades do projeto Crescer sem ViolênciaEm parceria com a Prefeitura Municipal de Vitória da Conquista, a Fundação Roberto Marinho ...

03/02/2022 às 15h06
Por: Transmitindo Fonte: Prefeitura Mun. Vitória da Conquista - BA
Compartilhe:
Foto: Reprodução/Prefeitura Mun. Vitória da Conquista - BA
Foto: Reprodução/Prefeitura Mun. Vitória da Conquista - BA
Abertura das atividades do projeto Crescer sem Violência
Abertura das atividades do projeto Crescer sem Violência

Em parceria com a Prefeitura Municipal de Vitória da Conquista, a Fundação Roberto Marinho e o Canal Futura iniciaram nesta quarta-feira (2) as atividades do Projeto Crescer sem Violência, que terá a participação de 120 atores da área da infância e adolescência, incluindo integrantes do Judiciário, Ministério Público, Defensoria Público, Conselhos Tutelares e servidores públicos do município.

O projeto, com duração de seis meses, abordará o tema da violência sexual, respeitando as especificidades do desenvolvimento da criança e dos adolescentes em ambiente de sala de aula e também em unidades socioassistenciais como o Centros de Referência de Assistência Social (Cras). “Estamos muito felizes em poder trazer este projeto para Vitória da Conquista, uma referência na implementação da Lei da Escuta Protegida. A ideia é trabalhar de maneira muito próxima nestes próximos seis meses”, explicou a coordenadora do projeto, Priscila Pereira, durante a apresentação para os participantes.

A analista de projetos da Fundação Roberto Marinho, Cinthia Sarinho, destacou o diálogo com a prefeitura para organização do organograma do projeto. “Tenho certeza que este projeto é muito potente e será ainda mais potente em Vitória da Conquista. Será um espeço de muita troca e muito aprendizado”, avaliou Cinthia.

A abertura do projeto contou a participação de representantes e parceiros do projeto, como a ChildHood Brasil (Itamar Gonçalves), do Unicef (Benedito Rodrigues da Silva) e de representações locais do Sistema de Garantia de Direitos com o Ministério Público (promotor Marcos Coelho), Comdica (Leda Freitas) e Conselho Tutelar (Rosemary Gomes Silva).

Na oportunidade, o secretário de Desenvolvimento Social, Michael Farias, que representou a prefeita Sheila Lemos, agradeceu aos parceiros como ChildHood Brasil e Unicef, e principalmente a Fundação Roberto Marinho pela escolha do município e pela grande oportunidade que será para todos os participantes do curso em poder ter acesso a um material de muita qualidade que irá somar às ações já realizadas pelo Governo Municipal.

“Esta parceria coroa nossas ações implementadas para defesa e garantia dos direitos das crianças e adolescentes. E sabemos que isso é um reconhecimento do trabalho que a prefeitura de Conquista vem realizando, com a implementação da Lei da Escuta Protegida. Podemos afirmar que aqui, a pauta da política dos direitos humanos de criança e adolescente não é apenas discurso e sim uma realidade”, declarou Michael.

Para a conselheira tutelar, Rosemary Gomes Silva, o curso é muito bem-vindo. “É com muita satisfação que nós conselheiros recebemos este projeto. Para nós todo conhecimento é bem-vindo”, salientou Rosemeire.

Já o promotor da Infância, Marcos Coelho, parabenizou o município pela nova parceira. “Este não é apenas um projeto, é um projeto de excelência e isso só é possível porque Vitória da Conquista é um solo fértil que permite que a política de criança e adolescente se concretize”, ressaltou Marcos Coelho.

O projeto inclui oficina formativa online com data prevista para acontecer entre 21 e 25 de fevereiro, implementação do Kit Crescer Sem Violência (materiais pedagógicos), desenvolvimento de plano de ação e avaliação externa.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários